• Mimi Zanetti

O Chamado da Escuridão - Warley Marins (resenha)

Esse livro foi um presente enviado pelo autor Warley Marins, e chegou em uma hora difícil da minha vida. No mesmo dia em que meu cachorro morreu aos 16 anos, me deparei com um envelope na casa da minha mãe. Não tive coragem de começar a ler no mesmo dia, porém, o que melhor do que o horror cósmico para aliviar os horrores existenciais terrenos? E por esse motivo eu peguei um carinho muito grande por essa obra, além de ter curtido toda a leitura.



A obra tem forte inspiração lovecraftiana, sua escrita remete aos contemporâneos de Lovecraft, de forte cunho erudito, porém sem as adjetivações excessivas do autor de Providence. O autor é nascido no Rio de Janeiro, porém sua expressão literária faz com que o leitor se sinta na Inglaterra do século passado.


O Chamado da Escuridão é constituído por duas partes com ligação entre si: O Manuscrito do Sr. Adler e O Homem de Preto.


A primeira parte traz um homem com grande interesse no sobrenatural que se dirige à cidade de West Air, no Reino Unido, local da queda de uma misteriosa rocha. Suas investigações o levam a um patamar mais elevado do horror cósmico, com a invocação de deuses relatados nos grimórios malditos como o Necronomicon.


A narrativa é muito bem escrita.e seria facilmente publicado em alguma edição da Weird Tales, além disso é uma bela homenagem à obra de Lovecraft.



A segunda parte adota um tom diferente inicialmente, o horror puramente cósmico do primeiro conto dá lugar ao sobrenatural aparentemente mundano. A cidade de Breas Village passa a ser assombrada por um corvo e homem de capa e chapéu completamente pretos, ambos com olhos sinistramente brancos e brilhantes. A busca por respostas para as terríveis aparições que vêm trazendo morte e terror à pequena cidade, pode levar à descobertas muito maiores do que os envolvidos imaginavam.


O Homem de Preto é dividido em nove partes e é de caráter epistolar em sua maior parte, sendo constituído de fragmentos de cartas e trechos de diários, intercalados com a narrativa.


Esse é o primeiro livro publicado por Warley Marins, que se inspira não somente em Lovecraft mas como também em outros escritores como Mary Shelley, Algernon Blackwood, Arthur Machen e Bram Stoker.


O Chamado da Escuridão

Capa dura: 144 páginas

Idioma: Português Editora: VISEU

Edição: 1ª (1 de agosto de 2018)


Você pode adquirir O Chamado da Escuridão impresso com cada dura no Submarino, Americanas e Shoptime; e na Amazon também disponível em e-book.