• Mimi Zanetti

Noturno - Guillermo del Toro e Chuck Hogan (resenha)

“Eu sou a ocultação e o eclipse.”


Esqueça os vampiros convencionais com presas enormes e aversão a símbolos religiosos. Noturno, escrito pelo premiado diretor mexicano Guillermo del Toro em co-autoria com Chuck Hogan, traz esses míticos seres retratados de forma diferenciada nesse primeiro livro de uma trilogia.


Tudo começa no aeroporto JFK em Nova York, em que um avião pousa misteriosamente na pista, mantendo-se com todas as luzes apagadas e nenhum movimento à bordo. Para investigar se há alguma ameaça biológica, os doutores Ephraim Goodweather e Nora Martinez do Centro de Controle de Doenças são chamados ao local.


“Por um instante, o capitão Navarro pensou que talvez ninguém estivesse a bordo. Não havia um filme, Além da Imaginação, em que um avião aterrissava vazio?”


Ao adentrar o avião, eles se deparam com uma cena bizarra, todos os tripulantes passageiros aparentemente mortos, sem nenhum indício do que possa ter acontecido com eles. Porém, observando mais atentamente, a dupla percebe que existem quatro sobreviventes ao incidente. O cenário fica mais extraordinário com a descoberta de uma enorme caixa no compartimento de carga, repleto do que parece ser terra comum.



O evento é seguido por um eclipse que faz com que a cidade fique na penumbra por quatro minutos, e à partir daí eventos estranhos começam a acontecer, como o desaparecimento de corpos dos mortos que estavam no avião. Em busca de respostas, a dupla se une a um sobrevivente do Holocausto, o romeno Abraham Setrakian, portador de grande conhecimento acerca do mal que os rodeia.


“A faixa escarlate que era a cromosfera, a fina atmosfera superior do sol, fulgurou durante alguns preciosos segundos finais… e então o sol sumiu.

Totalidade.”


Eu já tinha lido esse livro anos atrás e com desafio do #terrorama2019 achei que fosse uma boa oportunidade para sua releitura. O livro começa de forma magistral com os eventos no aeroporto e o eclipse, a leitura é empolgante até pelo menos a metade do livro quando começa a se tornar maçante.


A impressão que passa é que o mesmo foi escrito com o intuito de ser adaptado cinematograficamente (até porque o cineasta Guillermo del Toro foi um dos autores), com capítulos curtos e intercalados. E sim, houve uma adaptação, a trilogia virou uma série que durou quatro temporadas (de 2014 a 2017), exibida pelo canal FX.


Pôsteres promocionais da série

Essa foi a primeira investida do diretor na literatura, enquanto que seu co-autor já havia publicado 5 romances anteriormente.


Por mais que tenha sido em partes uma experiência maçante, é uma leitura interessante para fãs de vampiros que não se apegam ao tradicionalismo. Certamente lerei os outros dois volumes e tenho interesse em assistir a série.


“ — Pense mais num homem de capa preta. Com caninos grandes. E com sotaque engraçado. — Setrakian virou a cabeça para Gus poder ouvir melhor. — Agora esqueça a capa, os caninos e o sotaque engraçado. Esqueça tudo o que é engraçado nesse caso.”


Noturno

Ano: 2009

Páginas: 464

Idioma: Português

Editora: Rocco