• Mimi Zanetti

Artigo: O que Robert Bloch deve a Lovecraft


Tradução do artigo originalmente publicado em setembro de 2010 no Reader's Almanac.


"O que Robert Bloch deve a H. P. Lovecraft"


O escritor de horror e mistério Robert Bloch, mais conhecido como o autor de Psicose, o romance de 1959 no qual Alfred Hitchcock baseou seu filme clássico, morreu dezesseis anos atrás aos 77 anos. Bloch viveu trinta anos a mais que seu mentor H. P. Lovecraft, mas os quatro anos em que viveram ao mesmo tempo fizeram uma diferença crucial para a vida e carreira de Bloch. Em uma entrevista de 1983 com Randy e Jean-Marc Lofficier, Bloch descreveu o quanto ele apreciava as revistas Weird Tales enquanto adolescente—e o quanto frustrado ele ficava quando não conseguia encontrar as histórias de seu escritor favorito, H. P. Lovecraft, das edições passadas:

Então, eu escrevi para a Weird Tales aos cuidados de Lovecraft para perguntar-lhe se ele sabia de qualquer forma onde eu poderia conseguir algumas daquelas histórias sobre as quais eu havia lido. Ele me disse que ficaria feliz em me ceder quaisquer cópias de quaisquer histórias suas. Então, começamos a nos corresponder.


Lá pela quarta carta ele disse, “Há algo sobre o seu modo de escrever que me faz pensar que talvez você estivesse interessado em fazer a mesma coisa. Você gostaria de me escrever algumas histórias? Eu ficaria feliz em comentá-las.” Então, naturalmente, como eu poderia resistir? Eu escrevi diversas estórias as quais eram muito ruins, e ele não as criticou, ele as elogiou. O que foi exatamente o tipo de encorajamento que eu precisava.


Quando eu saí do colegial aos dezessete anos, eu comprei uma máquina de escrever de segunda mão, sentei e comecei a trabalhar. Seis semanas depois eu vendi a minha primeira história para a Weird Tales. Lovecraft e eu permanecemos em contato próximo até o dia em que ele morreu em 1937.


R. Lofficier: Você diria que deve sua carreira a ele?


Bloch: Eu certamente diria! E eu nunca deixei de ser grato a ele por isso.


Eles nunca se encontraram, e Bloch mais tarde descobriria que Lovecraft tinha numerosos protegidos que ele educava a sua maneira e chamava O Círculo de Lovecraft (The Lovecraft Circle). Um insone incurável e recluso, Lovecraft escreveu milhares de cartas tarde da noite, e suas cartas para Bloch foram colecionadas em H. P. Lovecraft: Letters to Robert Bloch and Others (livro ainda sem tradução para o português).


Uma das histórias que Bloch escreveu enquanto Lovecraft estava vivo, trazia Lovecraft como um personagem morto por um monstro. A Weird Tales solicitou que Bloch obtivesse a permissão da vítima antes de publicar a história, e Lovecraft autorizou Bloch a “retratar, assassinar, aniquilar, desintegrar, transfigurar, metamorfosear, ou maltratar de outra forma o signatário no conto intitulado THE SHAMBLER FROM THE STARS”. Em novembro de 1935, Lovecraft respondeu na mesma moeda com o conto “The Haunter of the Dark”, no qual o jovem Robert Blake (vivendo no verdadeiro endereço de Bloch) é morto por um alienígena. Ele dedicou a história a Bloch.



Apesar de Bloch ter continuado a desenvolver o seu próprio discurso e estilo (o que S. T. Joshi chama de “uma união entre a narrativa de horror e o mistério ou romance policial”), ele frequentemente reconhecia a influência de Lovecraft e o retratava como um personagem em diversas outras histórias. Bloch abre “The Shambles of Ed Gein” (de 1962, conto sem título em português) evocando o “The Picture in the House” (sem título em português) de Lovecraft, pois o assassino em série Ed Gein, a inspiração para Norman Bates em Psicose, morou em uma das “assustadoras, sonolentas, espalhafatosas casas nas áreas remotas” tão frequentemente descritas por Lovecraft. Bloch estabeleceu seu tributo mais estendido, o romance de 1978 Strange Eons (sem tradução para o português), nos Mitos de Cthulhu de Lovecraft.



Texto original: Reader's Almanac


Baixe o PDF do conto traduzido The Shambler From The Stars.


1 comentário