• Cultista

Série: Lore - 1ª Temporada



Lore (intitulado como Crenças - Histórias de Horror, em português) é uma antologia de terror com partes em forma de documentário, e partes encenadas por atores. Seu objetivo é tentar mostrar as origens das histórias de terror que foram baseadas em acontecimentos reais.


Foi desenvolvida por Aaron Mahnke, criador do podcast de mesmo nome e que também faz a narração dos episódios, e conta com produtores como Glen Morgan (Arquivo X) e Gale Anne Hurd (The Walking Dead).


A primeira temporada estreou em outubro de 2017, e está disponível no Prime Video, serviço de streaming da Amazon. Confira o review dos seis episódios desta temporada (pode conter spoilers!):




1. Eles Fizeram Um Tônico: Por volta dos anos 1800, havia uma crença popular que associava a tuberculose ao vampirismo. Se um membro da família morresse da doença, e outros próximos também estivessem infectados, estes iriam definhar aos poucos, fazendo com que se assumisse que o paciente original estivesse sugando a vida dos outros.


Pessoas enterradas vivas, exumações, o desenvolvimento da medicina moderna e a lenda vampírica de Mercy Brown (morta em 1892) são os temas deste episódio, que especula as inspirações acerca do romance Drácula, de Bram Stoker (lançado em 1897).


Iniciando-se com uma animação que traz a lenda urbana de Mary Hart, a jovem que foi enterrada viva em 1872 em New Haven (Connecticut), o episódio é uma ótima estréia para a série.


Direção: Darnell Martin (The Walking Dead, Grey's Anatomy, Law & Order)



2. Ecos: O episódio nos apresenta o mais antigo hospital psiquiátrico do mundo, o Bethlem Royal Hospital, fundado em 1247 em Londres. A partir disto, é mostrada a realidade dos hospitais psiquiátricos norte americanos no começo do século XX, e o desenvolvimento da técnica da lobotomia, pelo neurologista português Egas Moniz. O procedimento foi apresentado como uma terapia definitiva para os doentes psiquiátricos e difundido nos Estados Unidos pelo médico norte americano Walter Freeman, cuja paciente mais célebre foi Rosemary Kennedy (irmã de John F. Kennedy).


O destino trágico da maioria dos pacientes submetidos ao método, e o acontecimento trágico que marca a vida do doutor Freeman, fazem com que este seja um dos melhores episódios da temporada, mostrando que talvez os maiores horrores sejam os mundanos.


Direção: Thomas J. Wright (Smallville, Arquivo X, CSI: Crime Scene Investigation, The Twilight Zone)



3. Meias Pretas: No século XX, o psiquiatra francês Joseph Capgras descreveu um transtorno no qual a pessoa acometida passa a acreditar que alguém muito próximo foi substituído por um sósia idêntico. A ilusão ficou conhecida como Delírio de Capgras, porém um século antes, esta poderia ser associada à fenômenos místicos.


O episódio nos leva à Irlanda de 1895, em que um marido está convencido que sua esposa foi substituída por uma fada, um metamorfo. Esta é a história real de Bridget Cleary, interpretada pela atriz Holland Roden (Teen Wolf).


Apesar de boa qualidade, o episódio não chega a ser tão bom quanto os dois primeiros.


Direção: Thomas J. Wright



4. Mandando Bilhetes: A busca por resposta sobre a vida após a morte fez com que o norte americano Thomas Lynn Bradford se suicidasse em 1926, com a promessa de contatar sua cúmplice para contar o que havia do outro lado. Em 1843, o reverendo Eliakim Phelps (interpretado pelo ator veterano Robert Patrick) perde sua esposa, e anos depois solicita uma sessão espírita para contatá-la.


Apesar de trazer um tema tão interessante quanto a comunicação com os mortos, este é o episódio mais fraco de toda a temporada.


Direção: Nick Copus



5. A Besta Em Nós: O episódio se inicia com uma animação contando a lenda irlandesa dos homens lobo de Ossory e o padroeiro São Patrício. Hoje em dia conhecemos a hipertricose que faz crescer pêlos excessivamente pelo corpo, e a licantropia clínica, patologia em que o indivíduo crê que pode se transformar em um lobo, entretanto séculos atrás, essas doenças poderiam ter inspirado as lendas de lobisomens.


Em 1589 no Eleitorado de Colônia (localizado na atual Alemanha), principado do Sacro Império Romano, o fazendeiro Peter Stumpp foi executado de forma brutal. Acusado de bruxaria, licantropia e canibalismo, Peter ficou conhecido como “O Lobisomem de Bedburg”.

A província de Gévaudan (França) entre 1764 e 1767, foi aterrorizada por uma espécie de cão-lobo apelidada de Besta de Gévaudan. Tal episódio, apesar dos ataques terem sido realizados inquestionavelmente por um animal, serviram de inspiração para obras relacionadas à licantropia.


O episódio recheado de informações interessantes, é um dos pontos mais altos da série.


Direção: Darnell Martin



6. Fora da Caixa: Este season finale traz a obsessão humana com bonecos. Nele conhecemos a história de Edgar Bergen, um ator e comediante norte americano conhecido por sua habilidade como ventríloquo, tratando seu principal boneco/personagem Charlie como um filho. O episódio também nos apresenta a história do russo Anatoly Moskvin, que mumificava corpos humanos e fazia bonecas à partir deles.


Com uma boa mistura entre sobrenatural e realidade, a série fecha essa temporada em grande estilo.


Direção: Michael E. Satrazemis

Fontes:

Wikipedia: Lore (TV Series); Tuberculosis; Bethlem Royal Hospital; Capgras delusion; Peter Stumpp; Beast of Gévaudan;


Site oficial: www.lorepodcast.com