Legião - William Peter Blatty

O Exorcista, escrito por William Peter Blatty e publicado em 1971, acompanha a possessão demoníaca de Regan MacNeil, uma garotinha de 12 anos filha de uma famosa estrela de cinema norte-americana. Dois anos depois, dirigido por William Friedkin, o romance foi adaptado às telas em um dos filmes de terror mais assustadores e mais relevantes de todos os tempos, que foi indicado a várias categorias do Oscar, incluindo Melhor Filme, e recebendo os prêmios de Melhor Roteiro Adaptado (também escrito por Blatty) e Melhor Som.


Em 1977, o filme ganhou uma sequência esquecível, O Exorcista II - O Herege, dirigida por John Boorman. A obra não teve envolvimento nenhum de William Peter Blatty ou de William Friedkin. Foi só em 1983 que o autor publicou uma sequência direta de seu romance de 1971: Legião.



A história se passa 12 anos depois dos eventos de O Exorcista, e o personagem principal é o pomposo Detetive Kinderman. Ele investiga uma série de assassinatos com as mesmas características daqueles cometidos por um serial killer morto há anos, o Geminiano (inspirado no Assassino do Zodíaco, que aterrorizou a Califórnia na década de 1960). O exorcismo de Regan é apenas uma memória quase esquecida de um passado distante, trazida ao presente do investigador pela aparição do personagem padre Damien Karras.


O grande problema da narrativa é o próprio protagonista. Kinderman passa parágrafos inteiros divagando sobre aleatoriedades, muitas vezes sem chegar a lugar algum. Com isso, a primeira parte do livro é extremamente maçante, a leitura não flui. Há também um excesso de palavras em iídiche, o que gera notas de tradução em demasia. Kinderman é um personagem raso que parece perdido o tempo todo, a prosa Blatty também não ajuda.


O livro é dividido em duas partes, e é somente na segunda que a história fica um pouco mais interessante. Em um dos melhores capítulos há o relato de experimentos de EVP (electronic voice phenomena, gravação de áudios em busca de registro de vozes “do além”) contado por um médico, mas que pouco adiciona à trama.



A edição lida foi a da Darkside Books, que produziu uma obra esteticamente impecável, como sempre. A ótima tradução é de Eduardo Alves. O único ponto negativo da edição é a decisão editorial da Darkside em manter o padrão estrangeiro de aspas para diálogos, enquanto que no Brasil utilizamos travessões. Essa decisão aparece em vários livros da editora, mas gera um problema em especial aqui devido à grande quantidade de divagações do personagem Kinderman, mencionadas anteriormente.


No geral, a obra, mesmo sendo melhor escrita que O Exorcista, tem uma narrativa fraca. Blatty falha na criação de uma atmosfera sombria, a inserção dos elementos cristãos parece ter um ponto mas não chega a lugar nenhum. O final é anticlimático, quase ridículo. O resultado é um suspense policial comum que se esforça para incorporar elementos de horror, sem sucesso, sendo enfadonho na maior parte do tempo.


Legião também ganhou sua adaptação cinematográfica em 1990: The Exorcist III/O Exorcista 3. O filme, com roteiro e direção do próprio William Peter Blatty, teve no elenco George C. Scott no papel do detetive Kinderman, além de Ed Flanders, Jason Miller (reprisando o papel de Damien Karras), Scott Wilson e Brad Dourif. E sim, o filme é muito melhor que o livro, mostrando mais uma vez que Blatty se sai melhor como roteirista do que como romancista.


Legião

Legion

Autor: William Peter Blatty

Editora: Darkside; 1ª edição (8 junho 2017)

Páginas: 304

Tradução: Eduardo Alves





0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo