• Mimi Zanetti

Condenada - Chuck Palahniuk (resenha)


"Não, não é justo, mas o que faz da nossa vida um Inferno é a nossa expectativa em viver para sempre. A vida é curta. A morte é para sempre. Você vai descobrir isso muito em breve. Não ajuda em nada ficar todo irritadinho."


Engraçado que quando eu pensei em criar o blog minha intenção era falar sobre terror (mais especificamente weird fiction), suspense e ficção científica, mas eis que um dos meus autores preferidos não se encaixa em nenhuma dessas categorias.


Aliás, encaixar o Chuck Palahniuk em alguma categoria é tarefa difícil, o próprio define seu estilo como ficção transgressiva. Na falta de um rótulo específico, adicionei “fantasia” às categorias abordadas pelo blog, o que se encaixa (quase) perfeitamente como o gênero da obra que configura minha primeira resenha literária neste site: Condenada.



Damned, em seu título original, foi lançado em 2011 como a primeira parte de uma trilogia que remonta (e reconta à sua forma) A Divina Comédia de Dante Alighieri. Nesta obra, é contada a história da pequena Madison, uma garotinha de treze anos que supostamente morreu devido a uma overdose de maconha.


Maddie vai para o Inferno, arruma um emprego em telemarketing (sim, no próprio Inferno, nada mais apropriado ao local, não é?), arruma amigos e admiradores, além de enfrentar figurões históricos como Hitler e Vlad, o Empalador. Dante que me perdoe, mas a visão de Inferno de Palahniuk é muito mais divertida, afinal, em qual outra obra podemos ver demônios sendo subornados com barras de chocolates?


A primeira vez que li Condenada eu não gostei muito, mas talvez existam livros certos porém lidos nos momentos errados. Nessa minha segunda vez lendo-o, gostei muito mais e me empolguei para a ler a sequência, Maldita (mas esse fica para outro post).



Muitas pessoas reclamam da quantidade de nojeiras e escatologia nas obras de Palahniuk, caso você não seja uma dessas pessoas, tenha a mente aberta para ler uma obra tão fantasiosa que beira ao absurdo, e não se importe com uma boa dose de politicamente incorreto, eu recomendo Condenada fortissimamente. É um livro divertido e extravagante, ao melhor estilo nonsense de Palahniuk.


Ano: 2014

Páginas: 304 Idioma: Português Editora: Leya

Tradução: Santiago Nazarian