• Mimi Zanetti

Caligari Zine + entrevista com Anastácia Ottoni

Conteúdo de qualidade sobre o terror já é bom, e de graça é melhor ainda né? É essa a proposta da Caligari Zine, uma revista online idealizada pelo casal Anastácia Ottoni e Rodrigo Cali.


A Caligari Zine já chegou a quatro edições, cada uma com um tema diferente, e a promessa é que muito mais virá pela frente. Enquanto o quinto exemplar ainda está no forno, conversei brevemente com a Anastácia que me contou mais sobre a revista e seus projetos.



CDP: Anastácia, quando você começou a escrever e quando surgiu seu interesse pelo terror?


Anastácia: Tudo começou quando eu tinha 5 anos. Lembro bem que eu meu pai brincávamos fazendo uma fotonovela de terror que se chamava Quinta-feira 12, e o slasher era o Crazon (meu pai entrou na brincadeira como o assassino, usando uma máscara), minha mãe cuidava da polaroid. A história era sempre a mesma: eu era todas as personagens existentes no terror: a vítima que acaba morrendo e a garota final que resiste e enfrenta o slasher. Com isso, desde pequena me acostumei a brincar com a morte e a enxergar histórias macabras com um coração um pouco mais leve. Nessa época eu já assistia milhares de filmes de terror, mas não conseguia entender por que diabos Os Pássaros, de Hitchcock, era tão assustador para a minha mãe. Isso só fui entender mais tarde hahaha.



CDP: Além do Entrecortes (livro com tom autobiográfico publicado em 2017), você publicou alguma coisa de terror?


Anastácia: Por incrível que pareça, minha zona de conforto na escrita não é o terror, mas pela primeira vez estou conseguindo me focar em escrever contos dentro desse gênero que eu amo tanto. Isso só pode acontecer graças as gurias maravilhosas do terror que me cercam e apoiam o meu trabalho. Definitivamente, foi o que deu um gás muito grande de soltar os meus demônios no papel. Se tudo der certo, até o fim de Março vou poder anunciar a antologia de terror que estou fazendo parte (sim, finalmente uma história de terror minha!) além de outros projetos pessoais (aguardem!).


CDP: A revista é idealizada por você e seu marido, como surgiu a iniciativa?


Anastácia: Eu tinha acabado de formatar uma revista para o trabalho e estava satisfeita com o resultado. Gosto bastante desse processo visual. Até que pipocou uma ideia que no começo era brincadeira, peguei umas imagens dos meus filmes favoritos de terror e comecei a brincar com a formatação. O nome veio da forma mais natural possível, visto que o sobrenome da família que criei com o meu marido é CALI. Escrevi "Caligari" na capa, cutuquei meu marido e mostrei. Desde então, temos nossas reuniões numa cafeteria aqui perto, onde vamos para falar do futuro da Caligari, ideias para próximas edições, colaboradores etc.


CDP: O Rodrigo também escreve ficção? Quais os autores preferidos dos dois?


Anastácia: Sim, somos um casal de escritores fissurados em terror rs! Pode procurar Rodrigo Cali no Google; além do livro TÁLAMO I, ele tem um conto na Amazon chamado Santa Bárbara. Ele ama Borges, já eu amo Lovecraft; sorte nossa que tem Stephen King e Neil Gaiman para dar aquela equilibrada.


Anastácia e Rodrigo na Zombie Walk de 2013 (RJ)

CDP: Quais os planos pro futuro da Caligari? Vai continuar sendo gratuita? Já tem mais algum projeto sendo produzido?


Anastácia: São muitos planos para a Caligari! A próxima edição já está no forno então podem esperar que já já vem. Outro ponto que é bacana ressaltar é que a Caligari Zine digital sempre será gratuita! A zine surgiu da nossa vontade de falar sobre terror de uma forma que fosse visualmente gostoso de "consumir" e acessível para todos, mostrando que as mulheres têm espaço no meio. Tive a honra de poder ter a Jéssica Reinaldo como primeira colaboradora da revista (ela é incrível!). O que eu posso contar de planos pro futuro é que estamos fazendo algumas experiências de produtos que quem curte terror com certeza vai gostar também.


CDP: E por fim, sabemos que infelizmente as mulheres não têm muito espaço no terror, especialmente no Brasil. Gostaria de fazer indicações de autoras brasileiras para que a galera pesquise e conheça mais?


Anastácia: Graças a Caligari, conheci MUITA mulher que estuda o gênero e falo com propriedade que todas me inspiram diariamente a seguir esse sonho louco de criar histórias assustadoras. No Brasil, temos mulheres maravilhosas no terror como as autoras Karen Alves, Amanda Leonardi, Marina Franconeti, Bárbara Herdy e, claro, não poderia deixar de falar da Lady Sybylla.


Acesse o link das edições da Caligari Zine, baixe os exemplares e divirta-se!