• Cultista

Bom Dia, Verônica (série)

Bom Dia, Verônica é a mais recente série original brasileira produzida pela Netflix. É baseada no livro de mesmo nome de Raphael Montes e Ilana Casoy (publicado primeiramente sob o pseudônimo Andrea Killmore em 2016), da editora Darkside Books.


Verônica é uma escrivã de polícia que testemunha o suicídio de uma mulher na própria delegacia de homicídios. A partir disso, ela começa a investigar o que levou a mulher a cometer tal ato. Em outra linha narrativa, temos o casal Janete e Brandão que em um primeiro momento parece comum, mas o marido aparentemente cuidadoso logo mostra seu pior lado através da opressão e violência.


Os caminhos dos personagens se cruzam, e Verônica, além da investigação inicial e seus dramas pessoais, se vê envolvida na trama de um serial killer implacável, que persegue e mata mulheres na cidade de São Paulo.


A série aborda temas como corrupção, feminicídio e violência doméstica, sendo esses dois últimos apresentados em um importante diálogo com as telespectadoras. Seus oito episódios são incrivelmente bem conduzidos, sob a direção do cineasta José Henrique Fonseca (O Homem do Ano, 2003; Heleno, 2011), com direito a cenas sangrentas, perseguições e tiroteios. O roteiro foi escrito pelos próprios autores do livro.


As atuações de Eduardo Moscovis, representando o violento policial Brandão, e Camila Morgado, no papel da esposa oprimida, são os pontos altos da série. Por outro lado, grande parte do elenco tem um desempenho fraco, incluindo a própria Verônica, representada por Tainá Müller, que é esforçada mas não entrega uma protagonista à altura da personagem.


Apesar de alguns defeitos, Bom Dia, Verônica é uma ótima série policial brasileira, vale a pena assistir e torcer para que seja produzida uma segunda temporada.


Verônica (Tainá Müller, à esquerda) e a delegada Anita (Elisa Volpato, à direita)