• Mimi Zanetti

Armin Meiwes, o Canibal de Rotenburg


Aviso: a descrição do crime pode ser inapropriada para algumas pessoas. A leitura a seguir é por sua conta e risco.



Quem em sã consciência conseguiria se imaginar buscando uma pessoa para realizar seu fetiche canibalístico em pleno século XXI? Ou até pior, quem em sã consciência se voluntariaria para ser morto e devorado por outra pessoa? O canibalismo é um tabu na sociedade ocidental, e por incrível que pareça, existem pessoas que compartilham desta fantasia, tanto que em 2001 um crime desta natureza ocorreu e de forma consensual.


Armin Meiwes, nasceu em 1961 em Essen (Alemanha Ocidental). Trabalhou como técnico de computadores e tinha um fetiche sexual associado ao canibalismo. Entre suas práticas não convencionais, ele costumava fotografar partes de seu próprio corpo e se filmava fantasiando sua morte e consumo de seu corpo.


Através de diversas pesquisas na internet, Meiwes descobriu que existiam pessoas que gostaria de consumir carne humana, e também serem consumidas. Ele chegou a participar de 430 fóruns sobre canibalismo, a maioria deles com participantes dos Estados Unidos e Leste Europeu.


Foi em um desses fóruns que Meiwes encontrou sua vítima, o engenheiro de 43 anos Bernd Jürgen Armando Brandes. Apesar de ser falado que seu primeiro contato foi o The Cannibal Café, na realidade assassino e vítima se conheceram em um newsgroup no Yahoo em fevereiro de 2001.


Entretanto, a participação de Meiwes no fórum The Cannibal Café foi notória, em várias postagens ele buscava sua segunda vítima (prints logo abaixo, clique na lateral para mais fotos). O fórum funcionou de 1994 a 2002, quando finalmente foi derrubado pelo governo alemão. Ele assinava suas postagens no site como “Your Butcher, Franky” ("Seu Açougueiro, Franky").



O crime:


Em 09 de março de 2001, Brandes foi até a casa de Meiwes onde foi gravada uma videotape com os detalhes do crime. Por volta das 6:30 da tarde, com o consenso de Bernd após consumir 20 pílulas para dormir, Meiwes tentou arrancar o pênis da vítima à dentadas, porém com a dificuldade, então o órgão foi amputado com uma faca. O próprio Brandes tentou comer um pedaço de seu membro cru, mas não conseguiu por ser duro e borrachudo demais. Em seguida Meiwes tentou fritá-lo usando a gordura de sua vítima, mas foi impossível comê-lo, então deu o membro frito e picado ao seu cachorro.


Meiwes à esquerda, e sua vítima à direita

Às 8 horas da noite, Meiwes levou sua vítima para o banheiro, leu para ele um livro do Star Trek e esfaqueou sua garganta, posteriormente pendurando o corpo em um gancho de açougueiro. Todo o processo foi gravado em uma fita de 4 horas. Aproximadamente vinte quilos de carne de Brandes foram consumidas durante 10 meses.


"Eu salguei o filé de Bernd com sal, pimenta, alho e noz-moscada. Comi ele com croquetes 'princesa', couve de Bruxelas e molho de pimentão verde", afirmou o assassino em entrevista a Günter Stampf (que escreveu o livro Interview With a Cannibal: The Secret Life of the Monster of Rotenburg/Entrevista Com um Canibal: A Vida Secreta do Monstro de Rotenburg baseado em entrevistas com Meiwes).


Fotos do interior da casa de Meiwes publicadas pela polícia

"A primeira mordida foi com certeza única, indefinível, já que eu tinha sonhado com isto durante trinta anos, com esta conexão íntima que se faria perfeita através desta carne".

Em seu julgamento, Meiwes afirmou: "Eu o beijei de novo, rezei, pedi perdão por ele e por mim e então, o fiz", contou ele a uma corte silenciosa.


Meiwes foi capturado em dezembro de 2002, passou por julgamento duas vezes: a primeira em janeiro de 2004, sentenciado a oito anos de cadeia; e novamente em maio de 2006 sendo finalmente sentenciado à prisão perpétua por homicídio.


Exterior da casa de Meiwes

O conteúdo da fita nunca veio a público, porém, por sua conta e risco (!!!), você pode entrar neste link do Reddit e verificar as únicas três capturas conhecidas.


O caso do canibal alemão inspirou diversos livros e obras artísticas, incluindo o filme Cannibal de 2006, que foi banido na Alemanha. Em 2004, o grupo alemão Rammstein lançou uma música chamada Mein Teil (“meu pedaço”, também uma gíria para “meu pênis") inspirada no caso.


Fontes:

Cannibal de Lois Jones, publicado em 2005 pela Berkley Books

The Awl: Cannibals Seeking Same: A Visit To The Online World Of Flesh-Eaters

G1: Na prisão, canibal alemão dá entrevista e diz ser normal

Folha de SP: "Rezei por nós e o comi", diz alemão acusado de canibalismo

Wikipedia: Armin Meiwes



Assista o clipe de Mein Teil do Rammstein: